RIO DA PRATA

0

Motivação do Inventário

O inventário e a preservação do Rio da Prata são necessários para a manutenção do meio ambiente local, de forma a minimizar os danos causados ao seu ecossistema e na qualidade das águas, evitando um impacto negativo diretamente na flora e na fauna locais. A preservação do Rio da Prata está diretamente relacionada com a preservação de toda a bacia hidrográfica e do patrimônio ambiental do município e do estado de Minas Gerais (pois o rio corta vários municípios do estado até a sua foz no Rio Paracatu). Justamente por ser o turismo

Acesso

Saindo do Distrito Sede pela estrada para o Distrito de Galena. O Rio da Prata encontrase a aproximadamente 20 Km do Distrito Sede.

Propriedade

Pública

Responsável

Prefeitura Municipal de Presidente Olegário

Descrição

Acesso ao Rio da Prata é feito pela estrada que vai do distrito sede ao distrito de Galena. A Fonte que passa sobre o rio está em regular estado de conservação e próximo a ela encontra-se espaço que é utilizado para acampamento por romeiros durante a Romaria de Nossa Senhora da Abadia em Andrequicé. Do alto da ponte nota-se a existência de alguns bancos areia que indicam um pequeno processo de assoreamento do rio. Esse processo é explicada por um exemplo existente nas proximidades da ponte, onde em uma das margens do Rio de Prata a mata ciliar foi removida para dar lugar a uma plantação de eucaliptos. Essa remocão de mata ciliar além do enorme prejuízo ambiental prejudica também a harmonia da paisagem poluindo visualmente uma região que possui grande valor paisagístico. Com exceção do trecho onde existe uma plantação de eucaliptos, o Rio da Prata é limitado por um grande e densa mata ciliar, que percorre praticamente todo o seu leito.

Existe um pequeno desmatamento na região da área usada como acampamento, provavelmente causado pela ação dos participantes da Romaria de Andrequicé. Esta área é utilizada como ponto de apoio pelos romeiros que saem do distrito sede, e também das outras regiões do município, com destino ao distrito para a festa em homenagem à Nossa Senhora da Abadia.

Além de utilizar esse campo para descansar, os participantes da romaria organizam festas e ceias durante a noite. Nas margens mais afastadas da estrada, a mata ciliar se apresenta bem conservada, não apresentando indícios de ameaça por lavouras ou pastos. A presença de animais silvestres que entram nas águas do rio e suas pegadas nas margens demonstram que o local é frequentando pelas espécies da região, sendo então parte do seu hábitat. Mesmo com a vazão pequena, a água do Rio da Prata se apresenta pouco turva e inodora, não apresentando sinais de detritos no seu curso.

Uso

Apesar do grande volume de água e forte correnteza, principalmente, na época das chuvas, em determinados pontos existem áreas com pequenas praias e areias que são utilizadas pelos moradores para acampar, pescar, cavalgar, e realizar churrasco a beira do rio, além da prática de esportes como natação e canoagem. O campo aberto nas suas margens, próximo à ponte, e utilizado como ponto de apoio pelos romeiros que anualmente seguem para o distrito de Andrequicé, servindo de acampamento e local de festividades.

Análise do Grau de Integridade / Fatores de degradação

O Rio da Prata apresenta pequenas áreas assoreadas, com perda da mata ciliar, principalmente em uma das margens onde existe atualmente uma plantação de eucaliptos. Mesmo com o baixo volume de água na época da estiagem nota-se alguns bancos de areia formados ao longo do trecho analisado.

Por sua proximidade com a estrada para o Distrito de Galena, a área é muito visitada por banhistas e para lazer junto às margens do leito para a prática do acampamento, pesca, cavalgada, churrasco a beira do rio, além de esportes como natação e canoagem. Existe um campo aberto próximo à ponte que é utilizado para o acampamento dos romeiros que acompanham os carros de bois até o distrito de Andrequicé, para a festa em homenagem a Nossa Senhora da Abadia. Neste campo nota-se várias marcas das fogueiras acessas pelos romeiros, bem como alguns detritos.

Existe, nesse mesmo local, a ruína de uma antiga instalação sanitária construída para os participantes da romaria. É notável a quantidade de vestigios deixados por esses visitantes, que além das marcas na areia e nos terrenos das argens, abandonam muitos dejetos no local.

A ponte que passa sobre o Rio da Prata está em regular estado de conservação, necessitando de reparos em algumas partes da mureta de uçao em concreto. Nota-se ainda a falta de sinalização e de manutenção da estrutura, tanto quanto da área de acampamento, a exemplo do completo abandono da instalação sanitária.

Medidas de Conservação

Devem-se tomar medidas quanto à proteção das margens do Rio da Prata, com campanhas de conscientização sobre a necessidade de cuidados com os recursos hídricos do municinin principalmente para os participantes da Romaria de Andrequicé. É recomendada recuperação dos trechos degradados e a manutenção da mata ciliar existente em torno de todo o leito do rio, com placas informativas sobre a importância da preservação do leito e das margens. Uma análise técnica da qualidade da água deve ser feita para avaliar uma possível contaminação por agrotóxicos ou por lançamentos acidentais ou propositais de dejetos no córrego.

Referências Bibliográficas

Entrevista concedida a André Inácio Nogueira por Adamilton Oliveira em julho de 2013.
Entrevista concedida a Rhulio Rodd Neves de Aguiar, pelo senhor Henrique Ribeiro Godinho. Presidente da Câmara Municipal de Presidente Olegário, em 02 de dezembro de 2015.

FONTE: LIVRO PREFEITURA MUNICIPAL

Deixa o seu comentário abaixo

Open chat
Fale conosco no Whatsapp